Obras dos nossos poetas

**Para adquirir alguma obra que se encontra divulgada nesta página, é só escrever e-mail para o endereço do respectivo autor, que se encontra na coluna "Nossos poetas (contatos)" e comunicar seu interesse.
Coletânea CLIPE Jubileu de Prata/2012
Chuva de Prata- Marísia de Jesus Ferreira Vieira
Contando Pelotas 200 anos- Grupo Literário da Bibliotheca
Ciranda do Jubileu- coletânea de textos de interação poética na Rede Social Facebook



Coletânea nº 18- CLIPE 2011

 Eduardo de Almeida Farias

"Livro
Ele fala sem som
Encanta, revela, anima.
Ele é vida eterna
Oração e salvação
Com ele conquistamos
Postos, carreira e sucesso.
Com ele rimos e choramos
Imaginamos situações novas
difíceis, fáceis, diversas.
Conhecemos o passado
Nos preparamos para o futuro
descobrimos sentimentos
Sonhos, caminhos
Benditos sejam os livros
Bendito seja o livro Sagrado
Onde Jesus nos fala
Sempre que o consultamos.
Quem lê com consciência
Descobre a sua essência
e vive felicidade."
Vilma Farias Guerra



Coletânea n. 17 - CLIPE 2010



Lígia Antunes Leivas

"Escritor: função/missão?

Ninguém escreve simplesmente por escrever.
Os que o fazem, fazem-no porque trazem dentro de si essa
missão.
O escritor grita aquilo que muitos mantêm calado. O escritor
interpreta conscientemente o que está, muitas vezes, guardado
muito escondido no sub/in-consciente universal.
Como missão o escritor tem a função de amenizar as intermináveis
angústias do coração humano - seja seu próprio coração ou o do
seu semelhante.
Lido será o escritor se souber dizer o que muitos queriam dizer mas
não o sabem, não o manifestam... uma afirmação que se pode
fazer sem medo de se incorrer em erro."
lilu

 Inalda Peters da Silva




Vilma Ávila Vianna


 Ana Maria Osório

 Bel Plá


"LIVROS SÃO ETERNOS E O ATO DE LER, UM RITUAL

Li em um artigo que Saramago era do tempo do livro, do papel, dizia que uma pessoa pode deixar cair uma lágrima sobre um livro, mas é mais difícil lágrimas  rolarem sobre um computador.  Partilho do mesmo sentimento, frequentemente  me vejo envolvida lendo escritos no mundo virtual, me emociono, me alegro, e até derramo lágrimas, mas nada substitui o ato de ler um livro.
Apesar da expansão dos e-books, livrarias e bibliotecas serão sempre  espaços consagrados para a difusão da cultura. Quem já viajou por entre estantes de uma biblioteca, deslizou os dedos por entre os tomos, tomou contato com as texturas e deliciou-se em tirar lasquinhas dos conteúdos a uma primeira espiadela nas orelhas, tem a certeza que livros não deixarão de ser editados.
O livro tem uma magia que o pc não tem, existe um ritual próprio no ato de ler, que envolve todos os sentidos. Ritual este que não tem regras, e é único para cada leitor.  A magia se completa  no instante em que suas páginas são abertas e seu interior  é explorado. A leitura faz a luz vencer as trevas e dá ao nosso pensamento as asas da liberdade. Os livros nos levam a muitos mundos e diferentes emoções...
Para mim, computador é para escrever e para pesquisar, conhecer,  se comunicar com as pessoas, encurta tempo e distância, e já não me imagino sem esta ferramenta poderosíssima, mas um caso de amor, só com o livro mesmo, não acredito que vá se achar um substituto para o termo "folhear".
Bel Plá


 Reyzina Vianna Ramos

 Wilma Mello Cavalheiro

3 comentários:

  1. Parabéns a todos nós, clipeanos! A coletânea 2010 tem textos muito bons e os livros lançados na Feira do Livro de Pelotas 2010 tiveram excelente repercussão. E a ti, BEL, um carinho especial. O CLIPE tem outra 'feição' a partir da tua chegada... vanguardista, contemporânea, inteligente e artista, estás abrindo as portas de nossa instituição ao mundo! BRAVOS! Valeu! beijos líricos, lilu

    ResponderExcluir
  2. Querida Ligia, obrigado, vocês são minha motivação.
    Realmente, a coletânea está maravilhosa, vale a pena conferir. Vamos providenciar a capa para cá, quem tiver escaneado, envie por favor.
    Bjos estrelados
    Bel

    ResponderExcluir
  3. Bel, mais uma vez venho te deixar parabéns! És ponta-de-lança mesmo!!! Vejo que nossa instituição alça voos condoreiros graças a ti! Bravos! Beijos líricos, Lígia

    ResponderExcluir